março 28, 2020

Áudios sobre supostos arrastões em Porto Alegre são falsos

 A Polícia Civil e Brigada Militar informaram ontem à noite que áudios sobre supostos arrastões em Porto Alegre são falsos. Não foi registrado esse tipo de crime nos últimos dias no estado. Em alguns áudios, é narrado que policiais estariam orientando a população a não sair de casa, pois presidiários soltos em razão do coronavírus planejavam efetivar arrastões, outra informação desmentida pelos órgãos de segurança. Não há informação ou investigação sobre arrastões em Porto Alegre e no resto do Estado, desde que a quarentena foi decretada.

Assim, a Revista ProcureAche separou algumas dicas para você evitar de acreditar em boatos e espalhar “fake news porta afora:

*Não leia só o título: Autores de boatos amam escrever títulos bombásticos para prender a atenção do leitor. Mas o texto nem sempre comprova a chamada;

*Verifique o autor e o órgão de imprensa: cheque se o autor é conhecido, ou um repórter ou um órgão de imprensa confiável. Se você nunca ouviu falar da pessoa ou veículo de comunicação, ou se não há nenhum meio de entrar em contato com a fonte, fique esperto;

*Observe se o texto contém erros ortográficos: As reportagens de procedência confiável geralmente prezam pelo bom vocabulário e pela correção em relação às normas ortográficas. Os sites com notícias falsas ou mensagens divulgadas pelo WhatsApp tendem a apresentar uma escrita fora do padrão, com erros de português ou quantidade exagerada de adjetivos;

*Olhe a data de publicação: descubra quando a notícia foi publicada. Muitas vezes, o texto está simplesmente fora de contexto. Às vezes, a notícia não é falsa, mas antiga;

*Deixe um pouco as Redes Sociais: Para estar bem informado, o leitor deve se informar através do noticiário, não somente pelas Redes Sociais. Esforce-se em buscar informações em veículos sérios, não espere apenas notícias chegarem até você, pois elas podem chegar erradas ou distorcidas;

*Cuidado com o sensacionalismo: As “fake news” tendem a conter palavras ou frases que despertam emoções ou mexem com o íntimo das pessoas, atingindo um maior potencial de divulgação e compartilhamento nas Redes sociais. Portanto, quando as notícias contiverem relatos muito exagerados ou gerarem muita comoção, ligue o “desconfiômetro”.

Revista ProcureAche

Deixe um comentário

Your email address will not be published.